Fachadas fotossintéticas resolveriam o problema da mudança climática?

Fachadas fotossintéticas resolveriam o problema da mudança climática?

A mudança climática é indiscutivelmente um dos grande desafios da história humana e é cada vez mais pertinente a necessidade de criar soluções inovadoras para mitigar e adaptar o ambiente de forma transformadora. Um dos vieses mais fascinantes deste trabalho é o biomimetismo, onde designers estão estudando e imitando naturalmente estruturas e processos da natureza, usando esse aprendizado para informar e otimizar seu trabalho. E um escritório de arquitetura londrina parece estar na vanguarda.

O EcoLogicStudio – liderado pelos arquitetos Claudia Pasquero e Marco Poletto – concebeu o Photo.Synth.Etica em parceria com o Urban Morphogenesis Lab da UCL e o Synthetic Landscapes Lab da Universidade de Innsbruck. Juntos, criaram uma “cortina urbana” viva, projetada para captação de carbono em instalações feitas de forma sutil na fachada de edifícios.

Os profissionais imaginaram a cortina como um produto que pode não só ser integrado a edifícios novos, mas também adaptado aos já existentes ao redor do mundo. Um protótipo constituído por 16 painéis de bioplástico, cada um medindo 2 metros de largura e 7 metros de altura está desde 2018 em funcionamento. Cada painel individual é um foto-bioreator incorporado com serpentinas e tubos que servem como incubadoras para as algas. O projeto usa a luz do dia e o ar para alimentar as culturas vivas, aproveitando o processo natural de sequestro de carbono da fotossíntese.

De acordo com o EcoLogicStudio, “cidades e casas inteligentes, veículos autônomos e fábricas robóticas dominam o panorama atual dos cenários futuristas populares”. Mas, além destas aplicações populares (e um pouco mais altivas) do projeto, argumenta a empresa, arquitetos devem reformular suas práticas para dar suporte e gerar outras transições sociais benéficas. Leve e adaptável, a cortina”urbana” provoca uma conversa em torno de apenas uma das formas que esta transição poderia se desdobrar.

Além do tratamento do carbono, o Photo.Synth.Etica oferece vantagens adicionais. Em primeiro lugar, a cortina inteira funciona como um dispositivo de proteção ao sol, efetivamente reduzindo a demanda no sistema HVAC da estrutura. A biomassa reutilizável produzida pela cortina pode ser aproveitada para criar combustível ou reciclada em material de bioplástico, como o originalmente usado para fazer a cortina. Finalmente, como as algas são bioluminescentes, produzem um leve fulgor durante à noite.

De acordo com os idealizados do Photo.Synth.Etica, “na época atual, um modo não-antropocêntrico de raciocínio e a implantação de tecnologias de ponta baseada em inteligência digital e biológica, pode ser o cerne do desenho urbano”. Além disso, é necessário “estimular nossa sensibilidade coletiva para reconhecer padrões de raciocínio disciplinas, materialidades e regimes tecnológicos”.

Na Feicon Batimat você fica por dentro dos diferenciais sustentáveis dos expositores na Rota da Sustentabilidade, um tour guiado que leva informação, novidades, inovação e oportunidade de relacionamento para os visitantes, mostrando processos produtivos, soluções e produtos ecologicamente corretos, baseados em metodologias que agregam atributos ambientais ao nosso dia a dia.

Assine nossa newsletter oficial!

Facebook Comments