Em nota, Abrasel explicou que a mudança foi resultado no aumento da modalidade delivery. A ação tem sido adotada de forma exclusiva por 55% dos estabelecimento por consequência da pandemia em consequência do Covid-19. A mudança no comportamento social impera em diversas áreas econômicas e isso, de certa forma, impacta diretamente no uso do plástico, em diversos setores. Na matéria abaixo, retirada do site G1, abordamos com mais profundidade o tema.

Inicialmente, a pandemia do coronavírus tem provocado mudanças no comportamento social e em diversas áreas econômicas. Uma delas foi o crescimento no consumo por delivery, que resultou, consequentemente, no aumento da demanda por embalagens plásticas não reutilizáveis.

Portanto, conforme a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), 55% dos estabelecimentos estão trabalhando somente com entregas. O levantamento também apontou que alguns empresários começaram a investir em delivery por causa da pandemia e outros estão reforçando o serviço.

Leia mais: Embalagens em EPS alinham-se a mudanças de comportamento dos consumidores de produtos frescos durante a pandemia

Embalagens plásticas não reutilizáveis

Enfim, o setor de embalagens está aproveitando essa mudança. A Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), informou que a procura por utensílios como pratos, talheres e copos não reutilizáveis dobrou nos últimos três meses.

Da mesma forma, o uso do isopor também entrou como um dos produtos mais vendidos. O período de frio também facilita a mudança do comportamento, rendendo o aumento na procura e consequentemente, o aumento das vendas. Como é o caso de Uberlândia, que imediatamento resultou em cerca de 30% a mais.

Em suma, Conheça os princípios do novo normal neste setor acessando a matéria original do G1.

Comentários