Softwares de design: como e para quem são feitos

Softwares de design: como e para quem são feitos

Para um arquiteto moderno, nada é mais crítico do que do que as ferramentas usadas para criar e comunicar seu projeto; e no mundo digital, isto inclui os softwares. Quando o assunto é funcionalidade e uma abrangente gama de ferramentas para projetos arquitetônico, engenharia mecânica, elétrica e hidráulica, e engenharia estrutural, existe sempre um que sai na frente.

Mesmo para aqueles que o utilizam no dia em e dia, o backend do software continua sendo um mistério, mas o que qualquer profissional sabe é que em se tratando de BIM (Building Information Modeling ou Modelagem da Informação da Construção), esse é um dos maiores destaques mundo afora, resultado de um esforço conjunto de desenvolvimento entre equipes de gerentes de produto, designers, engenheiros de software e beta testes, que incluem diversos profissionais do meio construtivo.

Porém, entremos em uma questão ainda mais aprofundada. O sucesso do software deve-se apenas ao fato de ser a ferramenta ideal para projetos e outras finalidades. A resposta imediata é não. Muito mais que a parte tecnológica, o que dita essa preferência quase unanime é como são incorporados os métodos diferentes de feedback dos clientes. Uma das maiores inspirações para o software provém dos arquitetos que o usam todos os dias.

A empresa responsável por sua criação, desenvolvimento e manutenção solicita ideias de seus usuários ao redor do mundo, pede que ajudem com descobertas de bugs e, há dois anos, lançou um fórum de ideias para que haja troca de ideias e propostas para atualizações do produto. Com uma multiplicidade sustentável e transparente de incorporar comentários e avisar o que está sendo trabalhado no software, gerentes participam respondendo perguntas, fornecendo respostas e fazendo o melhor que podem para manter o desenvolvimento o mais claro possível. Desde o lançamento do canal, a equipe de produto incorporou sugestões e em sua versão 2018.2, muitos dos upgrades vieram diretamente de sugestões postados no fórum.

Porém, muitas vezes esbarra-se na fronteira dos preços, que podem chegar a mais de 20 mil reais, mais outros softwares também fazem sucesso entre os profissionais e com exponencial representatividade, existindo até mesmo opções gratuitas, porém mais limitadas, que podem ser um ponto de partida para estudantes, pequenas escritórios e profissionais que ainda estão começando no mercado.

 

Conteúdo Proprietário – Reed Exhibitions Alcantara Machado
Produção: A4&Holofote Comunicação

Facebook Comments