Contaminação do sistema hidráulico

Contaminação do sistema hidráulico

Pode-se imaginar diversas coisas quando se percebe uma avaria no sistema hidráulico móvel: fiação de controle e conectores danificados, carretel da válvula preso, assento da válvula de pressão emperrado e mantendo-a impossibilitada de fechar completamente. Por que imaginar estas coisas? Pois, na grande maioria das vezes, são essas as desafiadoras falhas motivo de uma solicitação de manutenção.

Enquanto fios danificados é o mais fácil destes problemas para rastrear e resolver rapidamente, partículas prejudiciais e contaminantes são muitas vezes menores do que pode ser visto a olho nu.

Sistemas de controle de movimento hidráulico – e também sistemas de controle de força hidráulica (ex. sistemas de travagem) – não foram concebidos para trabalhar e circular líquido percolado ou lixiviado e poluente. Quando partículas insolúveis são misturadas com o fluido hidráulico, acaba-se tendo problemas nas válvulas. Então, como a contaminação entra em um sistema?

Caminhos de ingresso de contaminação comuns incluem o processo de enchimento com fluido novo, engates rápidos por meio do respiro, riscos na haste do cilindro, juntas de topo-de-tanque problemáticas, portas expostas durante o reparo, vedações gastas e novo fluido hidráulico. Sem contar partículas fabricadas no interior de um sistema hidráulico, a água como um contaminante comum de líquido que auxilia na criação de partículas de óxido de ferro extremamente duras e a velha prática de usar um balde aberto e funil para encher um reservatório hidráulico também podem trazer problemas e devem permanecer no passado.

Os cinco tipos de partícula sólida mais comuns encontrados no fluido de um sistema hidráulico são metais, sílica, elastômeros, fibras e ferrugem. Destas, as primeiras são bastante comuns e entram quando o arame reforçado da mangueira é cortado e também quando partes móveis entram em contato direto com o outro. Isto é costumeiro em bombas e válvulas quando a viscosidade do óleo hidráulico é muito fina. A pressão da porta de saída de uma bomba de engrenagem, frequentemente, irá conduzir as engrenagens endurecidas contra o lado de entrada da caixa, causando o arrasto e criação de aparas de alumínio ou aço.

Fibras de madeira, papelão, papel, toalhas e panos também são comumente encontradas em fluidos do sistema hidráulico, onde as partículas contaminantes de elastômero provêm de mangueiras, o-rings e vedantes que se quebram. Quando o assunto pende para o lado das minúsculas partículas de sílica (dióxido de silício) o quadro fica mais preocupante, muitas vezes acarretando falhas catastróficas da válvula para a maquinaria móvel que opera nessas condições.

Se os relatórios de análise de fluido hidráulico continuamente mostram níveis excessivos de alguma partícula em determinado sistema, pode ser útil os serviços de uma empresa de filtragem especializada em controle de contaminação que possa identificar a origem dos contaminantes, ajudando a criar uma manutenção melhorada ou selecionar e especificar sistemas e produtos de filtragem mais eficaz.

Vale lembrar ainda que para obter um desempenho confiável, é importante encontrar métodos para controlar o acúmulo de contaminação e então segui-los de forma consistente, mesmo depois de realizados os serviços de manutenção. Enquanto certamente há aspectos técnicos para compreender e controlar o problema de fluidos, o lado operacional e a prática preventiva traz o fator cultural e humano para a frente, tornando-o peça-chave na contribuição para saúde dos sistemas.

 

Conteúdo Proprietário – Reed Exhibitions Alcantara Machado
Produção: A4&Holofote Comunicação

Facebook Comments

Deixar uma resposta