O poder da refrigeração

O poder da refrigeração

Pessoas em países desenvolvidos, em média, gastam mais de 90% de suas vidas em torno de edifícios. Faz sentido então que arquitetos, designers, engenheiros,  proprietários do edifício e os operadores tenham uma enorme oportunidade de impactar positivamente a saúde e o bem-estar desses indivíduos.

Conforto desempenha um papel importante, com a temperatura ambiente tendo um grande impacto. Corpo de consultores da CIBSE – associação internacional de engenharia profissional sediada em Londres que representa os engenheiros de serviços de construção – sugere um mínimo de 16ºc ou 13ºc, se os empregados realizam trabalhos físicos. A entidade cita seis principais fatores que afetam diretamente o conforto térmico, agrupado em fatores pessoais (taxa metabólica e nível de vestuário) e fatores ambientais (temperatura, radiante e velocidade do ar e umidade).

Notas da BSRIA – organização britânica de testes, instrumentação, pesquisa e consultoria, oferecendo serviços especializados em engenharia de construção e serviços de construção – mostram que o conforto térmico de um indivíduo varia enormemente de pessoa para pessoa e torna-se necessário medir as condições ambientais calculando ‘índices de conforto térmico’. A instituição argumenta ainda que o desconforto térmico pode ter um grande efeito sobre o moral dos ocupantes de qualquer edifício e, em alguns casos, até mesmo na saúde física e mental.

Se um espaço é sentido demasiado quente ou frio por muito tempo e sem ações tomadas, a percepção dos ocupantes de seu conforto térmico pode ser tendenciosa, podendo até mesmo ser difícil de dissipar e com a produtividade afetada negativamente.

Construtores, empreendedores e varejistas, entre outros, devem ter em mente que algum grau de controle individual sobre o ambiente interno pode ter um efeito positivo. O projeto HumanTool, por exemplo, liderado pelo Centro de Pesquisa Técnica VTT da Finlândia, envolve testes de novos conceitos de controle de temperatura interna para adaptar os espaços às necessidades individuais. Ele propõe a utilização do método de modelo térmico humano (HTM), que avalia o impacto das características individuais – sexo, idade, índice de massa corporal e musculosidade – sobre o corpo. A proposta da equipe é avaliar as sensações térmicas de vários grupos de usuários, que servirão como base na concepção de edifícios energeticamente eficientes e confortáveis, usando a mais recente tecnologia para controle de temperatura.

 

Conteúdo Proprietário – Reed Exhibitions Alcantara Machado
Produção: A4&Holofote Comunicação

Facebook Comments

Deixar uma resposta